às voltas com a arte e os ofícios!! – 2

Julho 22, 2007 at 9:45 pm 1 comentário

painters22.jpg

continuação …. às-voltas-com-a-arte-e-os-ofícios-1

…é a meu ver dizia eu, uma visão interessante….se quiser fundar uma seita misteriosa com desígnios obscuros.

Laborioso não é? Mas ilustrativo pelo menos.

Sabe que eu acho que esta malta complica demais. Olhe por exemplo o monet!…é para mim mais provável…ou por outra eu consigo imaginar mais facilmente uma pessoa menos importante e dominada por outras preocupações.

Vejo-o estudando as cores e fazendo experiências, visualizo-o a desembrulhar os primeiros tubos de tinta que foram inventados nessa altura e curioso….abstraido, experimentando aquela novidade que é uma ferramenta de trabalho, com duas telas na frente comparando os resultados, os efeitos de cada um dos tipos de tinta….desenhando uma linha ondulada e reparando na densidade irregular da tinta, na textura mais pastosa…muitissimo expessa e oleosa, usando a côr pensando em ninharias que iriam fundamentar o interesse pela coloração que teve depois como base da sua obra, insistindo num trabalho especifico, no apurar de uma técnica durante uma vida inteira.

Foi aí que começou talvez a ver as coisas de cor….em vez de cor nas coisas!

frederic_bazille_studio.jpg

O estúdio de Frédéric Bazille, da esquerda para a direita, Renoir,

o jornalista e crítico Émile Zola (nas escadas), Monet,

Édouard Manet, Bazille, e Edmond Maitre (este ao piano).

Imagino-o com os grandes artistas daquela altura, (que se eu tivesse estudado para doutor certamente chamaria de movimento), cavaqueando sobre isto como amigos que eram, trocando impressões sobre como usar tecnicamente aquilo, como conservar, como conseguir melhor cor, mais vivacidade e outras coisas assim.

…vejo aqueles homens em tertúlias possíveis e não em históricas convenções, calculo que pensassem de forma diversa da dos seus professores, naturalmente que sim isso sempre aconteceu….a sua princesa e a minha acharão dentro de uma mão cheia de anos que nós somos limitados, que somos caciques e nós é quase certo que “macaquearemos” as expressões dos nossos pais, ” a juventude agora isto, no meu tempo é que…aquilo!”

…julgo que naquela altura não seria diferente! Aquele monet que apresentou o “impression” como resposta e como demonstração de que se pode transmitir e apreender um sentimento ou um conjunto de informações sem recorrer a subterfugios maniqueista não só não nasceu ali como não acabou ali!

Antes de apresentar aquela resposta o homem teve de se perguntar alguma coisa, não o vejo fleumático, ameaçador querendo fomentar a derrocada de um sistema através dos pelos do seu pincel!

monet_sunrise_l.jpg

O que conduziu ali não sei que não o conheci, mas consigo imaginar possibilidades…feitas de pequenas coisas, que ocorrem ás pessoas de vez em quando, dispersas…coisas como achar imensa piada ao facto de existirem pouquíssimas cores base e a partir dai só existirem variações resultantes da mistura que se faz e das quantidades que se usa!….a cor é quase uma alquimia, com formulas e processos…ingredientes e coisas assim….isto levanta cá umas questões que volta e meia, de tempos a tempos, aparecem do nada…sem estarem sugeridas com algum propósito especifico e muito menos a necessitar de resposta urgente…por exemplo como é que isso se dá na natureza?…uma planta é verde porque tem nas folhas pigmentos de cyan e amarelo? É estranho….será que a matéria que a constitui é que tem pigmentação?…tipo a plantinha tem células tipo A amarelas e tipo B cyan? esquisitíssimo!!…ora estas perguntas não querem respostas concretas, são o tal exercício de questionar e responder….tentar perceber.

Eu vejo aqueles homens a aprender as técnicas do oficio, em escolas, com professores e de facto lá andaram todos em Barbison….é preciso saber pintar não existe transcendência ali, ninguém nasceu pintor nem musico, nem escultor….aprende-se a ser se existir vocação e por vezes talento.

Imagino que o monet quando aprendeu que o preto é resultado da ausência total de luz tenha achado isso interessantíssimo porque ai estão imensas coisas engraçadas e pertinentes….é possivel que uns tempos mais tarde ele tenha constatado que é óbvio estar escuro à noite!…pois então….ausência de luz…querer acabar com isso é arranjar luz, as coisas pretas ficam coloridas como por magia!

…e tempos depois talvez lhe ocorresse que então na realidade as coisas não são de cor nenhuma!!…que a cor não é uma característica exacta, nas propriedades de alguma coisa não se pode indicar a cor!…a madeira por exemplo é certo que é rígida e dura é definitivamente rugosa e porosa….isto é definitivo….já dizer que a madeira é castanha pode ser verdade ou não, dependendo da luz que fazemos incidir nela…fantástico!

…isto acontece na nossa cabeça todos os dias em todas as pessoas.

Ora admitir que se perceba uma verdade, uma conclusão feita destas pequenas perguntinhas e respostas, descobrir o final deste caminho assim de repente, duma só vez…..pimba! já estás!….deve ser uma coisa violentíssima, imagina um sujeito ser inundado por uma torrente destas pequenas coisas? Uma espécie de chicotada de sabedoria e em segundos, de repente ficar a saber tudo….ser iluminado!! Eu não consigo, reconheço a minha limitação!

Mais improvável será conscientemente partir para uma tela branca sabendo que se vai fazer uma composição gráfica que expresse isto e que vá elucidar uma maioria que anda distraída com outros “nadas” mais comuns!

…eu francamente não consigo, não visualizo isso, mas consigo continuar a imaginar possibilidades pequenas para ir juntando ás anteriores…consigo imaginar um monet, concentrado, no meio de telas, de tintas, pincéis e esboços…muitíssimo compenetrado e impenetrável a testar uma ideia que lhe ocorreu e podia muito bem ser a seguinte…

monetat.jpg

….imagine-se que num passeio matinal, olhando para um barco amarrado, enquanto pensa sobre por exemplo o incomodo de ter as botas cheias de lama e os inconvenientes daquilo…ou seja, trivialidades, coisa alguma…enquanto pensa assim e olha o barco, passa-lhe de repente pela cabeça que o barco parecia maior quando o viu no dia anterior….zás a trezentos á hora, sem intenção alguma só porque lhe ocorreu isso

….já lhe deve ter acontecido a si, como a mim e ao monet pode ter acontecido também…imagine que não tendo dado grande relevância a isso reteve a estranheza e com isso fomentou a duvida!…ora a duvida é para se tirar e quando o faz verifica que de facto visto de perto parece um pouco pequeno demais!

….continua ainda!!!

Advertisements

Entry filed under: arte, art_attack, escrever por escrever, eu...e os dois leitores do blog!!, Jornadas e descaminhos.

…andei a ver a expo e dei com isto! posts do “tu aqui não passas meu!” – Lesa pátria.

1 Comentário Add your own

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Categorias

Blog Stats

  • 63,283 hits

%d bloggers like this: