….até Jazz! (II)

Setembro 24, 2006 at 3:20 pm Deixe um comentário

este post inicia num outro que terão de procurar. 

 

 

03729.jpg

……

 

…Sucede que na mesma altura entrei num projecto de telecomunicações, voz e dados, em que a empresa provedora do serviço tinha nome de ….imagine-se…..JAZZTEL!! pois é nem de propósito.

 

Andava eu nessa altura zangado com a indústria da música e por isso todo o dinheiro que me sobrava investia em cinema e claro está em teatro, achava que gastar dinheiro em discos e concertos era um disparate! Tivesse eu deixado de fumar e de beber cafés de forma absurda e tinha hoje uma invejável colecção de discos com toda a certeza…..mas a vida é feita de escolhas e café e cigarros são coisas com que se não deve brincar, são aquilo que chamo os meus processos coerentes de auto destruição….ora não se priva um homem disto por dá cá aquela palha!

 

Então nessa fase aquilo que fazia era convencer amigos de que era cool passar no hot club antes de ir a algum lado, “…ouvir um jazz, um gajo embala…tas a ver?”. Tenho de reconhecer que aquilo era um suplicio, o hot club não é um clube de jazz, pelo menos não era como aqueles que eu tinha lido, os clubes de New Orleans dos anos cinquenta nos livros do Jack Kerouak, tudo aquilo era desengraçado, desenxabido, era tristonho e a única proximidade que tinha com o meu imaginário era a sala estar permanentemente cheia de fumo.

 

Não foi por ali, foi por outro lado que me entrou o Jazz!….foi nas noites do speak easy, mais precisamente nas noites de segunda-feira. Aquilo eram noites do melhor que se me foi oferecido alguma vez, geralmente começava cedo, ai pelas sete da tarde….ia ter com o Valos e com o Pai do Valos o Sr. Luís Miravent…..e aqui dava-me vontade de escrever um post inteiro sobre ele,  é que é das pessoas mais referenciais que encontrei nos caminhos que se me atravessaram….e foram alguns, o Luís Miravant é a pessoa que conheço que tem o sentido de humor mais acutilante, preciso, incisivo e inteligente, o que torna a sua companhia uma coisa deliciosa, depois é um homem que tem mundo e uma educação invejável, é o único cozinheiro que me faz ter prazer efectivo em comer uma refeição num restaurante e posso dizer que foi a perdiz de escabeche dele que levou defunto o hábito de três anos que tinha, desde que me tornei budista, sem comer carne….é uma pessoa completa! Tens os melhores gostos e hábitos em diversíssimas vertentes e um conhecimento aprofundado Q.B. sobre áreas tão distintas quanto interessantes também para mim, desde o cinema à arquitectura, do design à história, da gastronomia à musica e também a pintura claro! Mas não é do Luís Miravent que estou a escrever hoje e serve o enquadramento para me devolver ao Jazz e aquelas noites de segunda feira, geralmente começávamos por nos juntar ali para o chiado, para tomar um chá e por ali ficamos a ver passar as pessoas a desdizer do estados desgraçado que as coisas levavam!….depois ou íamos ver um filme ou seguíamos para o Galleto comer um bife ou para a Versailles onde também não se come mal o tal bife, então já bem embalados íamos ao speak easy ouvir um jazz e beber uns copos.

 

Essas noites de segunda eram dedicadas a Jam Sessions em que os músicos eram sempre diferentes, ali os ritmos, as sonoridades entravam-me bem e foi talvez a altura em que comecei a ouvir de forma consistente mas desordenada este estilo de som.

 

Ora bem nessa altura também existia na RTP2 aos domingos à noite um documentário e recordo-me que de vez em quando apanhava um episodio a dar, quando acabava eu ligava ao Miguel Marrafa que é um gajo que percebe de tudo e por consequência percebe de musica e assim sendo percebe de jazz e claro está enquanto conversávamos sobre o que tínhamos acabado de ver (ele via sempre esse documentário) me ia dando umas luzes sobre o assunto…é pena que não seja rigoroso e metódico como o Miguel que se sentava de propósito, com hora marcada para a ver a série, e assim as discussões sobre o assunto resumiram-se a dois ou três episódios que eu apanhei.

 

Foi aí que eu cultivei a onda do Luís Armstrong, a razão de me inclinar foi uma critica extremamente bem efectuada pelo “ Critico de Jazz” de serviço, eu nem sabia que existia uma profissão chamada “ Critico de Jazz” mas em havendo aquele senhor é um grande profissional. Fez aquilo que geralmente os críticos não conseguem, explicar a um leigo de forma entusiasmante o que estava para lá o do som que se estava a ouvir. Conseguiu! Pôs-me pela primeira vez a entender o jazz.

 

Dizia ele uma coisa simples que ainda hoje eu ouço quando ponho um disco do tipo “ o luís armstrong transporta-nos ao espírito da época o desenvolvimento brutal das cidades, o frenético movimento das pessoas e carros, a industria, é isso que se houve no fundo em armstrog…e depois, depois ele faz magia….vem flutuando por cima disso com um som poderoso de trompete num ritmo que flutua harmoniosamente por sobre esse ruído ritmado da banda” e pára de dizer aquilo, aumenta o volume da aparelhagem e abre os olhos….esticando o dedo ao alto como que a dizer “…ouça!” ….completamente envolvido, sempre a mexer os deditos como de tivesse a apertar os botões do instrumento e abrindo e fechando a boca a cantar em silêncio o ritmo do trompete do armstrong!….é sublime essa critica e foi a partir dai que comecei a pedir que me oferecessem como prenda discos do luís Armstrong.

 

O mais interessante nem é isso, o mais interessante é também na mesma altura a Jazztel oferece aos agentes e colaboradores uma prenda de performance! E nem de propósito essa prenda era ….imagine-se a coincidência, uma lindíssima caixa com a colecção da história do Jazz! Precisamente em forma documentário, exactamente o mesmo que passava na RTP2 e que me inspirou a ouvir o Luís Armstrong.

 

Não é engraçado? Eu acho que é e acho também que estas coisa são tão-somente a maneira como as coisas acontecem, elas tem de acontecer de qualquer maneira e “acaso” e “coincidência” é a única maneira de elas sucederam.      

 

…este post já tem antes (aqui) e há-de ter um depois de certeza!  

Anúncios

Entry filed under: art_attack, escrever por escrever, Jornadas e descaminhos.

…quando nasce a Lua aos dois leitores do blog!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Categorias

Blog Stats

  • 64,382 hits

%d bloggers like this: